quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Dia dos Namorados ou dia dos Apaixonados??

Em 30 anos, este é o primeiro dia dos namorados em que o meu estatuto mudou.

Perante a Igreja, Deus, os amigos e todo o mundo, já não sou namorada e ele já não é o meu namorado.Mas isso é só mesmo no papel, porque na prática somos namorados todos os dias, todo o tempo.

O casamento não mudou nada...mais que isso, insisto em dirigir-me a ele, como namorado.
São poucas as vezes que o nomeio de marido. Talvez por soar tão raro... ou talvez, porque ao fazê-lo me estou a outorgar uma responsabilodade aliada a idade, que teimo em não aceitar.

Assim que hoje é dia dos namorados, e o meu dia também (ainda que esteje casada).
Claro que por que casámos, não estamos condicionados a não comemorar o dia dos namorados. Afinal este dia é o dia de S. Valentim, e segundo a história,(ver mais abaixo, fontes da wikipedia) Valentim, era um bispo romano que celebrava casamentos contra a vontade do imperador CláudioII. 
Talvez então o "Dia dos Namorados", devesse passar a chamar-se "Dia dos Casados", ou então, visto que a sua base é o amor, "Dia dos Apaixonados".

Seja como for, aqui em casa comemora-se este dia.
Não só hoje (14 de Fevereiro), mas sim todos os dias do ano.
É tão bom amar e ser correspondido.



História de São Valentim:
São Valentim (ou Valentinus em latim), é um santo reconhecido pela Igreja Católica e igrejas orientais que dá nome ao Dia dos Namorados em muitos países, onde celebram o Dia de São Valentim. O nome refere-se a pelo menos três santos martirizados na Roma antiga.
imperador Cláudio II, durante seu governo , proibiu a realização de casamentos em seu reino, com o objetivo de formar um grande e poderoso exército. Cláudio acreditava que os jovens, se não tivessem família, alistar-se-iam com maior facilidade. No entanto, um bispo romano continuou a celebrar casamentos, mesmo com a proibição do imperador. Seu nome era Valentim e as cerimónias eram realizadas em segredo. A prática foi descoberta e Valentim foi preso e condenado à morte. Enquanto estava preso, muitos jovens jogavam flores e bilhetes dizendo que os jovens ainda acreditavam no amor. Entre as pessoas que jogaram mensagens ao bispo estava uma jovem cega, Astérias, filha do carcereiro, a qual conseguiu a permissão do pai para visitar Valentim. Os dois acabaram apaixonando-se e, milagrosamente, a jovem recuperou a visão. O bispo chegou a escrever uma carta de amor para a jovem com a seguinte assinatura: “de seu Valentim”, expressão ainda hoje utilizada. Valentim foi decapitado em 14 de Fevereiro de 270.
Entretanto, desde 1969 sua data não é mais celebrada oficialmente pela Igreja Católica em função da precariedade de comprovações históricas que levam em questão até mesmo a sua existência. 


Fontes:
Texto: Sandra Pereira e wikipédia
Fotos Google images
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...