sexta-feira, 19 de maio de 2017

Rendimento necessário para se viver no Luxemburgo



A notícia é do jornal Contacto, e já data de Dezembro de 2016 ( há 5 meses atrás). Porém é uma notícia que pode interessar a muitos de vós que tendes como destino de emigração este país.
Os números são claros e não restam margens para dúvidas. E meus caros, acreditem que é mesmo assim. Pode até ficar com a certeza que estarão um pouco por baixo do que realmente se necessita, para viver um pouco mais que "decentemente".

"Um homem que viva sozinho requer 1.923 euros por mês para viver decentemente no Luxemburgo. Para um casal com dois filhos isso equivale a 3.935 euros por mês, segundo o estudo "Rumo a um orçamento de referência para o Luxemburgo", publicado esta quinta-feira pelo Statec.
O objetivo do estudo passa por identificar todas as necessidades básicas de uma pessoa ou família e calcular o orçamento necessário que garanta uma participação ativa na sociedade. 
O estudo do Statec revela que a habitação (incluindo renda, aquecimento, electricidade e outras despesas) constitui de longe a maior despesa no orçamento de todas as casas: 1.469 euros por mês para uma família de 4 pessoas. 
Seguem-se as despesas com a alimentação, 883 euros; com a vida social, 548 euros e com a mobilidade com 406 euros por mês
Para um casal sem filhos, as despesas com a habitação constituem quase 50% do orçamento mensal, à frente das despesas com a alimentação e a vida social. Para um homem ou uma mulher que viva sozinho, a habitação pesa mais sobre o orçamento por mês, com uma proporção que excede 50%."

Fontes:
Texto : Sandra Pereira e Contacto
Foto: GoogleImages

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Restaurante em Flash: Maybe Not Bob`s, Luxembourg

E o restaurante de hoje é: Maybe Not Bob's (clicar para ser redireccionado para a página oficial)

Tipo/Especialidade do restaurante: Cozinha Americana, Tex Mex, Burguers
Ambiente: Alegre, Divertido, Boa Música
Serviço: 3☆☆☆
Decoração: Americana
Comida: 3☆☆☆ ( Optei por um hambúrguer acompanhado de salada e batata doce, estava muito bom, mas achei a carne um pouco "muito ao natural" = falta de temperos)
Preço: 25€pax




 



 


Lembrete da origem deste post😊
""É um facto que  adoro comer. E se puder ser num bom restaurante, melhor.
E é que aqui, neste país de ar medieval, nem tudo é mau. Tem, ao contrário,  muitas coisas maravilhosas.
E uma delas são os restaurantes. Boa comida na mesa.
Poderia simplesmente chegar aqui e colocar uma extensa e longa lista de óptimos restaurantes luxemburgueses. Deixem-me corrigir: restaurantes afiliados no Luxemburgo.
Sim, porque o marido já fez um roteiro, não completo, mas muito extenso e variado. Mas não. Primeiro porque não seria a minha lista. E depois porque não seria a mesma coisa. Refiro-me à opinião crítica.  A minha opinião.  O que o marido gosta eu posso não aprovar....

E restaurantes afiliados no Luxemburgo porquê?
Porque salvo excepção, que os há, todos os que frequentei até ao momento e de todos os que ouço falar maravilhas são de várias nacionalidades, mas poucos ou nenhuns Luxemburgueses .""

domingo, 6 de novembro de 2016

Sentir falta

Não há muitas coisas na minha vida [ no meu passado]  que me tenham afectado tanto como o facto de te ter conhecido. Das imensas e BOAS amizades que tenho a tua foi diferente. Como te disse antes, não fomos "amor à primeira vista" mas ficaste com o meu coração, ou uma parte grande, de amor existente nele.

Tudo quanto te posso dizer, agora que faz um ano desde que soubemos dessa tua mudança de vida, é que na altura [ há um ano atrás] embora eu pensasse que te ia sentir a falta, embora eu tivesse tido momentos de profunda tristeza e me tenha vindo abaixo afogando-me em litros de lágrimas  ( sim, não foste só tu a sofrer com esta mudança) o certo é que por mais que eu imaginasse , nunca pensei que iria ser tão difícil, tão sofrido, e tão duro como foi e tem sido até ao momento.

Não.  Eu não tenho saudades tuas. Eu tenho falta de ti. Muita falta. Tanta falta, que por vezes ainda me deixo afogar nelas (as lágrimas). Depois sinto-me um pouco mais aliviada, mas não menos triste nem com menos falta de ti.

Este foi um ano difícil para mim e para quem me rodeia. Vivi das experiências mais bonitas que se pode viver mas nem isso me trouxe ânimo. Foram muitas as vezes que eu e o G nos lembrámos de vocês...
Sabes, sentir saudade é diferente de sentir a falta. Por isso me custou tanto este ano. Estivemos juntas no Verão eu sei, e AMEI a surpresa, mas para mim não foi suficiente.

Creio que finalmente, quase 1 ano depois, estou então a aprender a viver com a tua ausência. Não te esqueço, mas pelo menos habituo-me a viver assim. Sem ti. Sem a tua presença, sem a tua boa disposição,  o teu ânimo e a tua alegria ... sinto que só agora me começo a habituar à ideia que tu já não moras aqui e que eu tenho que olhar em frente sim ou sim [ porque só aqui entre nós, se não o fizer corro o risco de ficar solteira!!!]

Não é fácil.  Para mim não o é. Para todos sim, menos para mim. Todos estão tão ocupados com as suas vidas mundanas e cheias de stress que não tem tempo para pensar noutras coisas....ao passo que eu até bem pouco tempo, não.  Creio que a chegada da nossa C me veio a ajudar nesta minha nova maratona. Não a esquecer, que isso não é possível, mas sim a aliviar.

Contudo, com C`s e G`s ou não, não há ocupação que me distraia tanto ao ponto de não me lembrar do que vivi [vivemos] há 1 ano atrás e do abraço mais sentido de uma das despedidas mais tristes da minha vida, porque foi aí, quando nos despedimos no aeroporto, que eu senti que tudo isso afinal era mesmo verdade.  Que não havia uma mínima hipótese de volta atrás. Tão triste e tão doce esse momento. Pois apesar do seu significado guardo também o carinho com que o fizemos.
Amo-te minha pessoa.

Fontes:
Texto: Sandra Pereira

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

10 REGRAS PARA QUEM VISITA UM RECÉM-NASCIDO



O texto que segue não é meu. O mérito é da equipa Mãe me Quer.
Se fosse meu seria muito menos simpático e muito mais agressivo.

Mas focando-nos nas simpáticas e suaves palavras elucidativas sobre o tema: Porque é então que existem pessoas que insistem em passar por cima das decisões importantes, das MAIS IMPORTANTES da vida de um casal????

Ser-se indesejado é muito feio.
Mas ser- se indesejado e ainda assim ignorar isso e tudo e todos, é " la bomba" (término espanhol).
 
Há que ter em conta que nós, seres humanos, não somos todos iguais e é exatamente por isso que somos todos tão interessantes uns para os outros.
Que fulana amiga ou a filha da vizinha queira estar rodeada de todos e mais alguns, não significa que quem está ao nosso lado deseje o mesmo. Por isso nada mais bonito e humilde que saber aceitar e respeitar as opiniões diferentes às nossas bem como as decisões tomadas seja sobre que assunto for.
 
Eu, falo por mim, não sou pessoa de reagir bem a essa falta de sensibilidade por falta de terceiros. E sendo desrespeitada dessa maneira, e não estando à minha inteira e total vontade/liberdade, posso ser uma pessoa muito desagradável. Não se trata de ser má pessoa ou mal educada ou lá o que seja. Trata-se de mim. Do meu bem-estar. Do meu carácter que não me permite ser de outra forma, que não me permite fingir que está tudo bem quando não está. Isso tem um nome: Integridade. Sou assim, para o bem e para o mal.
E não. Não peço desculpa por algo que podia ter sido totalmente evitado, dado que quando existe diálogo o que se espera é isso mesmo: compreensão e aceitação.


sexta-feira, 1 de abril de 2016

Scheveningen, Den Haag, Netherland, um fim de semana na praia

No passado fim-de-semana da Páscoa, fomos em família, descansar uns dias até à costa Holandesa. Fomos conhecer a cidade da paz e da justiça: Den Haag, ou em bom português, A Haia.
Na realidade acabámos por conhecer apenas a praia de Scheveningen banhada pelo Mar do Norte! E deixem-me que lhes diga,  que nunca tinha visto um mar com uma água tão suja. Ou seria apenas escura? Seja como for, nunca avistei água límpida e azul que tão bem conhecemos das nossas praias portuguesas e outras do nosso Mundo. Não sei se seria apenas da época, da maré, ou por outro motivo qualquer alheio ao meu conhecimento, que o Mar estava com uma cor tão feia, mas se este for o seu estado natural ,  o ano inteiro, então, desaconselho vivamente, a quem queira fazer praia nesta zona.

Por outro lado, o ambiente que se vive, tendo em conta a Holanda ser um país tão frio (no que toca a receber, e na própria maneira de ser deste povo), surpreendeu-me muito pela positiva.
À beira-mar, mesmo na linha da praia, e por longos metros, talvez mais até de 1km, era toda ela, a zona, constituída por fantásticas, aliciantes e confortáveis esplanadas ao ar livre ou não. Cheias. A transbordar. Talvez porque tudo conspirava a favor: o clima (bom tempo apesar de um pouco ventoso), fim-de-semana, Páscoa = Férias. O certo é que fiquei bastante convencida e agradada com a zona e com o ambiente.



O seu areal extenso, não se diferencia em muito das nossas areias. Suave e de uma cor aceitável. O mar, apesar de escuro, calmo, e ao longe, bem bonito. Um calmante e relaxante natural, que eu adoro.
As crianças a correr na areia, casais a namorar, e cães a dormir a sesta. Deveras um ambiente que me cativou.

Mesmo ali ao lado, uma espécie de galeria/miradouro, conhecido como Pier de Scheveningen, que oferece vistas espectaculares desde de dentro do mar, ( que vai desde o paredão da praia até mar adentro) é passeio obrigatório. Dentro é possível fazer um par de actividades sem sair do mesmo sítio. Compras, comer, jogar e desfrutar de vistas que acalmam a alma.


Foto onde se pode apreciar desde o ar a Pier de Scheveningen, que proporciona uma vista espectacular.  Foto retirada do Google images


E o nosso Hotel mesmo em frente ao mar: Maravilhoso. Imponente. Grandioso. Cheio de história para contar, e com uma esplanada fantástica que nos proporcionou umas vistas igual de fantásticas..


Foto onde se pode ver bem, também desde uma perspectiva aérea o hotel Kurhaus, onde ficámos alojados e recomendo vivamente.

Não saímos muito dali perto. Embora tenha lido antes de ir, que há um par de coisas que merecem ser visitadas e conhecidas naquela cidade, algumas bastante interessantes até, o fim-de-semana, foi mais para descansar, mudar de ares e rotina. É certo que o vento também não ajudou muito na concretização de um possível passeio turístico pelo centro da cidade, mas o certo é que também não sentimos necessidade disso. Bastou-me com sentar-me na esplanada do nosso hotel e apreciar da vista abrumadora enquanto bebia um cappuccino bem quentinho.

É bom saber:

Tráfico: Nós fomos de carro pelo que posso dizer que o trânsito é mais ou menos aceitável.
O estacionamento é um pouco difícil de conseguir. Para casos como o nosso em que o estacionamento do hotel era limitado, pode-se sempre estacionar em algum estacionamento público/privado a preços competitivos.

Restauração: Comemos sempre fora, e quase sempre no mesmo restaurante, o argentino Santos, onde sabíamos ter boa carne e bom peixe, e onde o idioma não era problema, pois falavam espanhol e até português!!,  mas sítios para comer é coisa que não falta por lá. E boa comida. Também há para orçamentos mais limitados, os fast-foods conhecidos por todos, e outros bem mais ligados à ecologia a preços bem simpáticos.

Conhecer: Para quem quer desfrutar da praia e pouco mais, aconselho um hotel mesmo à beira-mar. Já para quem quer conhecer mais a cidade, o melhor será ficar alojado num hotel mais central, dada a distância entre umas coisas e outras.


Fontes :
Texto e Fotos : Sandra Pereira e google images

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

My friend

Tenho tantas coisas para te dizer... Tantas.
Tantas lágrimas camufladas e outras tantas brotadas.  Mas não são as lágrimas que me atormentam. É antes o facto de não te poder ter aqui. Já partiste há mais de dois meses.
Tive-te entre os meus braços,  senti-te o coração e o teu cheiro pela última vez há exactamente 70 dias.  Custou-me imenso, foi das despedidas mais duras da minha vida. Mas não estava preparada para após estes dias todos sentir-te a falta em demasia.
Juro-te que todos os dias me lembro de ti. De ti e dos teus.
Aquele acto automático de te procurar com os olhos lá fora. Ouvir-te os passos no corredor.  Saudades de receber-te sempre tão fresca, linda e sorridente apesar de tudo e destes dias cinzentos. Eras o meu Sol daqui. A minha amiga. A minha melhor amiga.
Juro-te que não sabes a falta que me fazes.
Continuas a ser a minha amiga querida, mas a falta que a tua presença me faz, nem mesmo tendo-te no coração sempre, nem mesmo assim,  consigo sentir-te menos longe.... A vida é um vai e vem. Hoje aqui e amanhã ali. Dela, tudo o que recolhemos/retemos entre o melhor e o pior são mesmo as amizades e o carinho que nelas investimos e delas recebemos. Não fomos "amor à primeira vista" mas também não te comprei ou vice-versa. Foi assim, naturalmente, porque tens uma alegria no corpo que transmites a quem ao teu lado esteja, e em muitos momentos sem o saberes levantas-te-me do chão com essa mesma garra de viver que tens. E alegro-me de poder ter sido para ti também,  em algum momento um pouco de luz nos teus dias. Foi a tua determinação e garra que me conquistaram primeiramente e finalmente o teu carinho e dedicação . Jamais te esquecerei vá onde for e tu estejas onde estiveres.
O certo é que me dá uma tristeza imensa não te ter perto de mim, porque sem o saberes, tu, minha amiga, completavas-me. Não são só os maridos, nem os filhos que nos completam.  As amigas também.  E tu eras a "minha pessoa" . Tinha finalmente descoberto-te, e quando pensava que podíamos dar mais um passo em frente na nossa amizade,  vem a vida e diz que não.
Mas eu sei que tu estás aí.
Só tenho pena de não te poder abraçar sempre que me apeteça.
Amo-te minha amiga.
Sê feliz.

Oh!...Tenho tanto para te contar....



Fontes :
Texto : SandraPereira
Foto : My Best Friend

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Panquecas com recheio de Nutella

Vi esta receita aqui e pensei logo, isto é a cara do my love.
Que bom que Domingo é Dia dos Namorados.  Nada melhor do que começar o dia de forma bem doce e bastante "aNutelada".

Pois que hoje finalmente é o dia e foi assim que o começamos.  Ele pelo menos, que eu estou numa fase que dispenso bem o chocolate.



Feliz dia dos namorados a todos.

Fontes :
Texto e Fotos : Sandra Pereira

Ele, o meu marido

Humilde.
Amigo do seu amigo e até de quem não ( muitas vezes me chateio com ele para não ser assim,  mas saio sempre perdedora).
Sincero.
Melhor coração não há.
Disponível. Sempre. Para quem merece e até para quem não ( mais uma vez, até aqui perco na luta).
Defensor do mais fraco, do pobre, de quem mais precisa. Sempre. Contra tudo e contra todos. Sempre lá e sempre o primeiro a ajudar.
Justo. Muito justo.

....

Stop.

De repente lembrei-me que já tinha escrito aqui entre outros, um fantástico texto sobre ele, que não sei se algum dia ( hoje não é o dia) irei superar.

Para recordar e porque não o podia ter escrito de melhor forma, aqui fica o link para o texto. (Clicar aqui para ler)


Love you my baby.
Obrigada por me teres aceite como tua esposa, mas sabes que nós  seremos sempre, eternos namorados.

Feliz dia dos Namorados.




Fontes :
Texto e Fotos : Sandra Pereira

O Amor é...


O Amor é...

O amor é o início. O amor é o meio. O amor é o fim. O amor faz-te pensar, faz-te sofrer, faz-te agarrar o tempo, faz-te esquecer o tempo. O amor obriga-te a escolher, a separar, a rejeitar. O amor castiga-te. O amor compensa-te. O amor é um prémio e um castigo. O amor fere-te, o amor salva-te, o amor é um farol e um naufrágio. O amor é alegria. O amor é tristeza. É ciúme, orgasmo, êxtase. O nós, o outro, a ciência da vida. 
O amor é um pássaro. Uma armadilha. Uma fraqueza e uma força. 
O amor é uma inquietação, uma esperança, uma certeza, uma dúvida. O amor dá-te asas, o amor derruba-te, o amor assusta-te, o amor promete-te, o amor vinga-te, o amor faz-te feliz. 
O amor é um caos, o amor é uma ordem. O amor é um mágico. E um palhaço. E uma criança. O amor é um prisioneiro. E um guarda. 
Uma sentença. O amor é um guerrilheiro. O amor comanda-te. O amor ordena-te. O amor rouba-te. O amor mata-te. 
O amor lembra-te. O amor esquece-te. O amor respira-te. O amor sufoca-te. O amor é um sucesso. E um fracasso. Uma obsessão. Uma doença. O rasto de um cometa. Um buraco negro. Uma estrela. Um dia azul. Um dia de paz. 
O amor é um pobre. Um pedinte. O amor é um rico. Um hipócrita, um santo. Um herói e um débil. O amor é um nome. É um corpo. Uma luz. Uma cruz. Uma dor. Uma cor. É a pele de um sorriso.
Joaquim Pessoa, in 'Ano Comum'



Fontes :
Texto : Joaquim Pessoa

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

O melhor do meu mês - Janeiro 2016

Podia enumerar centenas de coisas. Todas elas relacionadas com o meu filho. Mas não. 
O significado mais bonito deste mês ( e de todos os outros) está na simplicidade da minha vida. Na simplicidade da minha pessoa. De poder fazer o que gosto. De poder estar onde quero. De poder ser quem sou, sem máscaras, facetas ou falsos sorrisos. 
Não tem preço viver rodeada de amor.



Fontes : 
Texto e Fotos : Sandra Pereira 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...